Site de música   
Coberturas de shows

Shaman lava a alma dos fãs, exorciza os fantasmas do passado e mira o futuro em noite sold out

Compartilhe:


Publicada em 24, Sep, 2018 por Vagner Mastropaulo

Clique aqui e veja as fotos deste show.


Shaman_2018.jpg
Ansiedade... essa era a melhor definição para o estado dos fãs antes de André Matos (vocais), Luís Mariutti (baixo), Hugo Mariutti (guitarra) e Ricardo Confessori (bateria) subirem ao palco juntos pela primeira vez desde 2006, reforçados pelo não menos competente Fábio Ribeiro (teclados). O próprio vocalista discorreu sobre o tema em entrevista à Roadie Crew de agosto: "uma boa dose de ansiedade na medida certa é fundamental para manter o foco", algo que definitivamente não faltou nas quase duas horas e meia de uma apresentação perfeita, deixando rusgas para trás e lavando a alma dos fãs que esgotaram os ingressos (forçando a abertura de uma data extra) e testemunharam a reunião do Shaman na Audio, formando dois distintos perfis: os que estreavam em concertos do quinteto e os que reviviam emoções de outrora.

Spoilers garantiam que Ritual e Reason seriam tocados na íntegra, restando saber funcionaria na prática. Friamente falando, foi o que aconteceu, com o show dividido em dois atos: primeiro vieram todas as músicas de Reason e então todas as de Ritual, como dispostas nos dois álbuns, separados por um intervalo de dez minutos. A explicação para a proposital inversão foi dada por André, antes de Pride, que fecharia o set: "A gente quis começar por onde a gente deixou (...) para daí voltarmos até quando vocês começaram a pegar essa banda". Mas após doze anos de espera, reduzir toda a atmosfera de uma noite a apenas isso seria um desperdício. Então, o que mais rolou?

Pontualmente às 21:00, abriu-se a cortina que preservava os discretos segredos do palco: peles dos bumbos decorados com a capa de Ritual, amplificadores e o telão ainda desligado atrás do kit de Confessori. Simplicidade por um lado, requinte por outro, através de uma excelente sacada que talvez tenha passado despercebida: exatos trinta minutos antes de sua entrada, a banda interrompeu a tradicional discotecagem (que sempre amaina a expectativa coletiva) tesourando Under The Bridge e substituindo-a por música instrumental. A nada sutil transição não pode ter sido mera coincidência, uma vez que gerou uma bela seqüência de trilhas sonoras de filmes e/ou arranjos orquestrais que foi de The Danish Girl (do filme homônimo) a Summer 78 (Adeus, Lênin) e Arrival Of The Birds/Transformation (Grande Balé Vermelho - O Mistério Dos Flamingos) - ambas com volume consideravelmente mais alto e utilizadas como Intro, já com o platéia urrando: "Shaman! Shaman!" [nota: para os mais curiosos, a completa e diversificada lista de canções da TPS - Tensão Pré-Show - encontra-se no final desta resenha]. Mesmo assim, a banda não veio de cara, pois antigas filmagens de bastidores no telão mostraram declarações do ´profeta´ André: "Eu acho que o futuro do Shaman vai ser uma conseqüência do que fazemos hoje. É muito difícil prever onde vamos chegar e certas coisas não acontecem no momento que você esperava que acontecessem. De repente, lá na frente, quando você não está esperando mais nada, acontece. Na verdade, o futuro é agora". Arrepiou!

Turn Away abriu oficialmente a festa, e se vocal e baixo soavam cristalinos e o volume de bateria era satisfatório, mal se ouvia a guitarra de Hugo (problema corrigido já a partir do solo). Os fãs notaram? A julgar pela explosão de vozes no refrão, nem um pouco. E é importante destacar que André não saiu do piano durante Reason e foi para outro teclado em More, ou seja: cada canção tinha sua dinâmica própria, garantindo a graça da apresentação mesmo sabendo-se a ordem das faixas. A belíssima Innocence, por exemplo, foi iniciada com apenas o vocalista no palco, ao piano, e com os fãs berrando o refrão, até consequente explosão sonora com a volta de seus companheiros.

Aos gritos de "Shaman! Shaman!" antes de Iron Soul, com Hugo e André pedindo por ainda mais barulho e luzes brancas no vocalista, esperavam-se algumas palavras, nem que fossem os clichês de sempre. Bem humorado, o cantor apenas comandou os gritos da galera, à la Bruce Dickinson, e saiu-se com um engraçado: "Já, já, a gente conversa". Mais efusiva interação só mais tarde... Encerrando o primeiro ato, Born To Be foi uma pérola, terminada com palmas do público enquanto os músicos partiam e filmagens do making of de Reason surgiam no telão (até o produtor Sascha Paeth apareceu). Como críticas: a excessiva duração de dez minutos (providencial para o descanso dos músicos) quebrou um pouco o ritmo do show; e a impossibilidade de leitura das legendas que contextualizavam as cenas, bloqueadas por amplificadores e a bateria de Ricardo.

A grande diferença para a parte Ritual do show foi a maior participação dos fãs, cantando as letras com maior entrega. Houve até coro de "Ô, ô, ô, ô..." durante a instrumental Ancient Winds (usada como intro) tamanha a voracidade da galera. Com todos os músicos retornando ao palco e saudando novamente seu público, se um desavisado chegasse nessa hora, facilmente concluiria que o show ali se iniciava. A decoração de palco sofreu só uma alteração: a capa de Ritual às vezes no telão, em alternância com o nome do grupo. E a empolgação que já estava alta, foi elevada a outros patamares em Distant Thunder, com a pista toda pulando em seu começo. Até o animado Hugo, que parecia ter molas nos pés, resolveu contribuir com seu primeiro backing vocal da noite. Antes de For Tomorrow, André Matos finalmente falou: "E aêêêêê? Essa é uma oportunidade que nenhum de nós poderia imaginar acontecendo. Mas como foi mostrado naquele vídeo de 2003 - e eu nem lembrava mais que tinha falado aquilo - ainda bem que isso voltou a acontecer. E não apenas por nossa causa, eu não preciso nem falar sobre a força que todos deram para que isso se concretizasse. Foi emocionante para nós, no sentido que a gente percebe que fez um trabalho que ficou, de fato, marcado para sempre. E hoje, quinze anos depois, estamos aqui de volta". E checando quem já havia visto a banda antes e quem estava vendo-a pela primeira vez, a quantidade de mãos erguidas foi um empate técnico, justificando a importância do retorno do Shaman. Com Hugo agora no violão e André com uma flauta de pã, tocaram a lindíssima For Tomorrow, muito bem recebida por todos.

Dando continuidade à festa, a animação era tanta que o reservado vocalista até arriscou cumprimentar quem estava no gargarejo da pista premium durante Time Will Come e as complexas partes de bateria em Over Your Head pareceram ser o maior desafio de Ricardo em toda a noite, tão concentrado quanto o vocalista e Luís, escondido atrás de seus cabelos, mas que detonaram em seus instrumentos a noite toda. Fairy Tale, o maior sucesso do conjunto, foi indiscutivelmente um caso à parte, tamanha a paixão dos fãs a cantá-la, cabendo até um questionamento: quantas pessoas conheceram a sonoridade do Shaman e por eles passaram a se interessar a partir de sua inclusão na trilha sonora de uma novela global? Impossível cravar, mas o foi fato que Hugo encostou-se nos amplificadores na lateral direita do palco em seu final e passou a assistir ao público, em reverência, enquanto Ricardo retribuía o carinho jogando baquetas a dois afortunados fãs da premium, antes de ser novamente posto à prova em Blind Spell.

Ritual tirou o povo do chão e, mesmo não precisando, André apresentou seus companheiros antes de fechar o set (os gritos de "Jesus! Jesus!" na vez de Luís foram tão hilários quanto clássicos) e demonstrou gratidão: "Como vocês podem imaginar, estamos chegando ao final. Foi uma grande surpresa quando a gente tinha na cabeça a idéia de fazer apenas um show e vocês mereceram estar aqui, na estréia deste show, celebrando os dois discos do Shaman com nossa formação original. Estão convidados a voltar amanhã, quem puder, mas muita gente veio de longe [nota: ao ver um fã com bandeira chilena]. Obrigado a vocês e espero que, em breve, a gente se veja outra vez". Então, não podendo contar com Tobias Sammet para o dueto vocal em Pride, Bruno Sutter foi chamado, ou ´Bruno Sammet´, como brincou André ao convocá-lo. Final apoteótico com linda chuva de papel branco picado e então a mesma versão de Arrival Of The Birds foi a senha para que todos partissem, seguida de Electric Eye (Judas Priest) no som ambiente enquanto os fãs lentamente deixavam a casa.

Vida longa ao metal melódico nacional, pois, com o Angra revigorado (ao gravar DVD em julho no Tom Brasil) e o Viper fazendo shows esporádicos (Sesc Belenzinho há exatas duas semanas e Viper Day no Manifesto em abril), a pergunta era: "E o Shaman, por que não se junta?". Atendendo ao apelo dos próprios fãs, teve fim a espera e há mais por vir, conforme foi deixado no ar por André Matos, também antes de Pride: "O que era para ser apenas um show virou uma turnê (...) Essas reuniões são momentos únicos e especiais e a gente nunca sabe se isso vai se repetir ou não. De qualquer maneira, como a gente começou aqui, quem sabe a gente não termine aqui? E não resta mais nada a não ser dizer muito obrigado". De nada, e obrigado a vocês, Shaman...

Setlist
1ª Entrada - Reason
[Introdução - vídeo com imagens de bastidores]
01) Turn Away
02) Reason
03) More [The Sisters Of Mercy Cover]
04) Innocence
05) Scarred Forever
06) In The Night
07) Rough Stone
08) Iron Soul
09) Trail Of Tears
10) Born To Be
[Intervalo - vídeo com imagens do making of de Reason]
2ª Entrada - Ritual
11) Ancient Winds [utilizada como Intro]
12) Here I Am
13) Distant Thunder
14) For Tomorrow
15) Time Will Come
16) Over Your Head
17) Fairy Tale
18) Blind Spell
19) Ritual
20) Pride [participação especial de Bruno Sutter]

Trilha TPS (Tensão Pré-Show) completa, pois chegamos à casa antes de rolar a discotecagem: Savior (Rise Against); Born To Be Wild (Steppenwolf); Last Resort (Papa Roach), Radioactive (Imagine Dragons); Carry On Wayward Son (Kansas); 21 Guns (Green Day); Eye Of The Tiger (Survivor); Killing In The Name (Rage Against The Machine); The Diary Of Jane (Breaking Benjamin); Sex On Fire (Kings Of Leon); Still Counting (Volbeat); Black Hole Sun (Soundgarden); If Today Was Your Last Day (Nickelback); How You Remind Me (Nickelback); Under The Bridge (Red Hot Chili Peppers - tesourada no meio); The Danish Girl (Alexandre Desplat); The Artist Without Arms (Enxo - essa só o Shazam conhece?); Bibo No Aozora / Endles Flight / Babel (Ryuichi Sakamoto / Jaques Morelenbaum / Everton Nelson / Gustavo Santaolalla); Summer 78 (Yann Tiersen); e Arrival Of The Birds / Transformation (The Cinematic Orchestra & The London Metropolitan Orchestra)


[ << Ant ]    [ << Mais notícias ]    [ Próx >> ]
 

Mais notícias
Delain + Vuur no Tropical Butantã
Los Hermanos surpreende em apresentação para 45 mil pessoas em São Paulo
Mark Farner no Teatro Gamaro
Temple of Shadows in Concert em São Paulo
Clube da Esquina: Milton Nascimento em São Paulo
O Death Metal de Beyond Creation e Exhumed Chega à São Paulo
Gilberto Gil e Paralamas do Sucesso - Projeto Versão Brasileira
Lolla Parties: Snow Patrol + Lany
Freshen Up: Paul McCartney em São Paulo
Jota Quest no Acústico ´Músicas Para Cantar Junto´ em São Paulo

 
 
 
 
 
 Busca
 Siga o Musicão nas redes sociais
Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Instagram Siga-nos no Tumblr Google Plus Youtube Pinterest
 Últimas Notícias
 Agenda de shows
Criação de Sites
Serviço
Arquivo de notícias
Equipe do Musicão
Release do site
Política de Privacidade
Contato

© 2006-2019 Musicão - Todos os direitos reservados - Proibida cópia de conteúdo parcial ou integral.