Site de música   
Coberturas de shows

Primeira Noite do SP Trip Apresenta Três Gerações do Rock, com a Memorável Apresentação de The Who

Compartilhe:


Publicada em 25, Sep, 2017 por Marcia Janini


Sao-Paulo-Trip.jpg
Na noite de 21 de setembro, o Allianz Parque em São Paulo abrigou o primeiro dia de apresentações do SP Trip, evento que traz à cidade grandes nomes do rock.

Subindo ao palco por volta das 18h30, o Alter Bridge trouxe sua sonoridade pautada no post grunge e nu metal em mais um show da turnê "The Last Hero".

Iniciando sua passagem pelo festival com "Come to Life", de introdução forte, bem pontuada pela bateria em breaks e pelas guitarras melódica e rítmica em diálogo, evolui explorando ousadas dissonâncias, aliando-se à potência do refrão em dueto de Myles Kennedy e Mark Tremonti.

Na cadência frenética do heavy metal "Addicted to Pain" traduz grande dinâmica no pesado instrumental, repleto de cromatismos... Ágeis, as guitarras ampliam o alucinante andamento.

"Crowns on a Wire" com a poderosa introdução das guitarras dissonantes e baixo de Brian Marshall em dub step, determina a cadência no heavy metal clássico, entremeado por esparsos elementos do nu metal na condução da bateria de Scott Phillips durante o refrão em sonoridade atual e marcante.

Para "Isolation", marcantes riffs da guitarra distorcida na introdução apoiam o vocal de Kennedy, em meio ao instrumental potente na tonalidade vigorosa do rock de linhas hard.

Os acordes poderosos das guitarras em distorção, com nota para a finalização em glissandos (slides) e cromatismos, emoldura a consistente melodia na execução de "Rise Today".

Outros importantes momentos da apresentação são determinados por "Cry of Achilles", "Waters Rising", "Blackbird" e "Metalingus".

Subindo ao palco após vinheta introdutória impactante com coral infantil em playback, por volta das 20h00 o The Cult inicia sua apresentação com "Wild Flower", canção tema da turnê, trazendo simples aparato cênico representado por imagens de lírios no telão/ciclorama. Suave, o esquema de iluminação auxilia na ambientação do show com perfeição. Simples e na medida certa!

Na sequência, um de seus maiores hits "Rain" é executado com maestria, nos alucinates riffs da guitarra semi-acústica de Billy Duffy, em um dos pontos altos da apresentação.

Com a constância da exímia bateria de John Tempesta em condução impecável e perfeitas conversões, surge a cadenciada "Dark Energy" explorando a deliciosa sonoridade do rock com esparsos elementos de dark wave em sua composição. Riffs em glissandos da guitarra nas conversões, emoldurados pelos bons recursos e acordes do teclado de Damon Fox, encerram com graça a melodia.

Sustentando a força do vocal de Ian Astbury, surgem os rascantes da guitarra de Duff em "Peace Dog" explorando sonoridade em notas encadeadas de extrema agilidade. Nota para o belíssimo trabalho da bateria nas conversões, numa demonstração da grande técnica de Tempesta. Amazing!

Em mais um grande momento do espetáculo, "Lil´ Devil" traduz na melodia toda a ousadia do rock alternativo dos anos 80, em uma canção atemporal, repleta de bons recursos verticalizadores e extrema criatividade. Em total sintonia a bateria comanda o andamento frenético, seguida pela enlouquecida guitarra em ágeis acordes. O vocal de Astbury, apoiado pelo forte instrumental brilha soberano, em um dos melhores momentos de sua performance. Great!

"The Phoenix", canção densa de andamento ralentado, antecede a progressiva "Deeply Ordered Chaos" adotando já na introdução a densidade de acordes etéreos determinada pelos sintetizadores e teclados. Na cadência da bateria, de média intensidade e constância e nos acordes solapados da guitarra, em inversões nada óbvias, observamos os elementos do dark wave em fusão com o rock de linhas clássicas.

Mais um grande sucesso, "Rise" é executado com extrema perícia pela banda, para delírio dos fãs. Em mais um importante momento de sua performance individual, o front man apoia-se no crescendo instrumental, muito bem urdido pelo contraponto entre baixo em dub, bateria frenética e alucinantes acordes da guitarra. O teclado explora arranjos consistentes, emoldurados com peso e vitalidade à melodia.

Determinando momento impactante na apresentação, os teclados sugerem para o grande hit "Sweet Sold Sister" introdução suave, logo evoluindo para a cadência dolente da melodia, amparada pelos acordes poderosos da guitarra e pela marcação pulsante da bateria.

Na sequência, mais um ponto alto da apresentação ficou por conta da explosiva "She Sells Sanctuary", numa belíssima resposta do público em total sinergia com a banda.

Finalizando a apresentação em grande estilo na cadência do dark wave, dois dos maiores sucessos "Fire Woman" e "Love Removal Machine".

Em sua primeira incursão ao país, o The Who sobe ao palco às 21h30 apresentando imagens que remetem ao psicodelismo no telão de fundo de cena. Iniciando o show com a clássica "I Can´t Explain" seguida por "The Seeker" na cadência do classic rock, traduzida com maestria pela deliciosa condução da bateria constante e cadenciada de Zak Starkey e acompanhada pela guitarra de Pete Townshend em preciosos acordes encerra bom momento do espetáculo.

Para o hit "Who Are You", todo o brilhantismo da guitarra atemporal de Townshend. Mantendo a cadência viajante da melodia, a bateria de Starkey conduzida com perícia alia-se ao poderoso teclado de John Coury, ambientando a melodia em acordes encadeados... Grande momento do show!

Na deliciosa cadência do rockabilly, surge a suave "The Kids are Alright" seguida pela poderosa "I Can See for Miles" de acordes introdutórios simulando o som de envenenados motores. Densa, introspectiva, com andamento cadenciado, apresenta a perfeita sincronicidade da melodia.

"My Generation", na clássica fusão entre jazz e rock bem determinada pelo potente baixo de Pino Palladino em dub, surge relembrando grandes momentos da carreira iniciada em meados dos anos 60, determindo a clássica sonoridade da época num irresistível convite à descontração. Digno de menção o excelente momento de Zak Starkey na condução da bateria.

Em mais um mágico momento do show "Behind Blue Eyes" traduz toda a maestria e perícia da banda na firmeza da condução instrumental e vocal.

Nos teclados Hammond, emoldurados pela gaita de boca aliada à condução malemolente e alquebrada da bateria e dos riffs em intrincados acordes da guitarra, com baixo em dub no contraponto surge "Join Together", em cadência progressiva.

Em cânone, a introdução para a descontraída "You Better You Bet" chama a atenção para a melodia delicadamente dançante, permeada com graça pelos arranjos do teclado de Coury, em uma de suas mais importantes atuações no show.

Trazendo o acento country do violão de aço para "I´m One", o cantor e violonista Roger Daltrey traduz rara beleza em sua performance, com modulações vocais que nos remetem à simplicidade dos cânticos e da vida simples do campo... Em inspirado backing vocal, os demais integrantes da banda auxiliam na criação da perfeita aura da melodia.

Em momento intimista da apresentação surge "The Rock", com o belo contraste entre o ruflar dos tambores da bateria, os metálicos acordes do teclado e as guitarras instrumental e progressiva em distorção, determinando os cíclicos movimentos ascendentes da melodia. No telão ao fundo do palco, imagens com cenas de protesto, guerra e celebração da vida em meio ao caos, num movimento pela paz... Impactante!

Com extrema beleza, a etérea "Love, Reign O´er Me" é executada com a lindíssima introdução do piano de John Coury em notas doces, delicadas, de preciosismo ímpar, ascendendo para acordes de notas em suspensão, imprimindo à melodia densidade em meio à guitarra distorcida e às ágeis evoluções da bateria. Reflexivo e lindo instante do show!

Traduzindo a inserção da sonoridade eletrônica na música, os sintetizadores trazem os melífluos arranjos em trilhas bem inseridas na fusão com o soul para "Eminence Front", explorando a cadência urbana da black music em composição suavemente dançante. Grande diferencial na apresentação, numa ousada e genial quebra da linearidade do show.

Acordes simples da guitarra aliam-se à bateria constante, ascendendo suavemente nas conversões ao refrão em movimentos cíclicos, porém de grande efeito estético na progressiva "Amazing Journey". Breaks estratégicos apoiam a força do refrão, em mais uma perfeita incursão vocal de Roger Daltrey.

Após a execução de "Pinball Wizard", mais clássicos surgem nas execuções de "See Me, Feel Me", "Baba O´Riley" e "Won´t Get the Fooled Again".

Encerrando a histórica noite, "5:15" e o hit "Substitute" são reservadas para o bis, finalizando a perfeita passagem da banda pelos palcos brasileiros. Amazing!


[ << Ant ]    [ << Mais notícias ]    [ Próx >> ]
 

Mais notícias
Delain + Vuur no Tropical Butantã
Los Hermanos surpreende em apresentação para 45 mil pessoas em São Paulo
Mark Farner no Teatro Gamaro
Temple of Shadows in Concert em São Paulo
Clube da Esquina: Milton Nascimento em São Paulo
O Death Metal de Beyond Creation e Exhumed Chega à São Paulo
Gilberto Gil e Paralamas do Sucesso - Projeto Versão Brasileira
Lolla Parties: Snow Patrol + Lany
Freshen Up: Paul McCartney em São Paulo
Jota Quest no Acústico ´Músicas Para Cantar Junto´ em São Paulo

 
 
 
 
 
 Busca
 Siga o Musicão nas redes sociais
Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Instagram Siga-nos no Tumblr Google Plus Youtube Pinterest
 Últimas Notícias
 Agenda de shows
Criação de Sites
Serviço
Arquivo de notícias
Equipe do Musicão
Release do site
Política de Privacidade
Contato

© 2006-2019 Musicão - Todos os direitos reservados - Proibida cópia de conteúdo parcial ou integral.