Site de música   
Coberturas de shows

Soulfly na Audio Club

Compartilhe:


Publicada em 15, Apr, 2016 por Fabiano Cruz

Clique aqui e veja as fotos deste show.


Max Cavalera e seu Soulfly aportam no Brasil para uma série de shows promovendo seu ultimo trabalho, Archangel, bem elogiado pela crítica e público, e o Musicão foi conferir a apresentação realizada no domingo dia 10 de Abril no Audio Club, casa que cada vez mais vem abrindo espaço a shows, sendo uma boa alternativa pela localização, próximo ao complexo de transporte urbano da Barra Funda.

Em um excelente horário – o evento todo terminou 23:00, dando tempo para o público sair do local e ir com calma para a casa – o Project 46 foi a banda escolhida para a abertura. Seu hardcore contagiante e muito bem trabalhado, trouxe uma enorme bagagem de experiências adquiridas em turnês fora do país, em uma apresentação contagiante – não é a toa que a banda vem crescendo e sendo referência do estilo cada vez mais. O vocalista Caio foi o grande responsável pela agitação e insanidade da panda e público, deixando os ânimos a “ponto de bala” para a atração principal. Músicas como Violência Gratuita, Vergonha na Cara e Carranca não deixou pedra sobre pedra, e FODA-SE foi o ponto alto do show.

Em quase uma hora de intervalo, as luzes se apagam e a casa lotada já agitava com o Soulfly entrando em palco, e Max até de uma maneira gentil pede para que o público “quebre tudo”, mandando as primeiras notas de We Sold Your Souls to Metal, seguida de Archangel e Ishtar Rising.

Antes de continuar, preciso fazer um parêntese pessoal. Nunca fui grande admirador da banda, portanto mal acompanhei a carreira do Max pós Sepultura – tirando o projeto Cavaleira Conspiracy – por “n” preconceitos musicais que não valem a pena descrever aqui. Reconheço meu erro; as três primeiras canções já foi o suficiente para ver o quanto o Soulfly ao vivo é extremamente competente e arregaçador....

A pancadaria come solta com canções do nível de Blood Fire War Hate até tocarem hinos do Heavy Metal nacional como Refuse/ Resist e Territory. O público, agitado, aqui se solta de vez aponto da grade que separava a pista comum da pista VIP quase ser derrubada (o que não foi por intervenção rápida dos seguranças da casa, evitando problemas maiores). A partir daí a banda se solta de vez em palco. Musicalmente, o Soulfly é uma das bandas mais abertas a improvisos, literalmente dando um foda-se a protocolos musicais e desconstruindo muito de suas próprias canções e músicas covers. Master of Savagery com maestria e naturalidade faz um medley com Master os Puppets do Metallica; Sodomites impressiona pelo experimentalismo sonoro; Tribes nos brinda com ares ritualísticos e uma atmosfera atordoante; Umbabarauma foi uma surpresa inigualável com a banda usando e abusando de improvisos rítmicos. Sem contar que a pluralidade musical de Max é extremamente visível em vários pedaços do show.

Outro ponto alto é o carisma de Max. Sendo sincero, está longe de ser o vocalista ou o guitarrista ideal, mas a força de sua presença em palco é única: basta ver que em seu solo ele não ficou mostrando virtuosidade e técnicas “milenares” da guitarra; ficou simplesmente mandando riffs e mais riffs de clássicos do Heavy/ Rock e do Sepultura, ali, sozinho em palco. Pra que mais? Conversa com o público e respeita seus fãs, a ponto de quando um sobe ao palco e o reverencia, ele agradece e pede cordialmente ao segurança para não o tirar com força; ou quando convida fãs a subirem e cantarem com ele em palco.

Obvio que Arise/ Dead Embrionic Cells vai ser mais um ponto alto e a pancadaria come solta com sons do nível de Profecy, Babylon e No Hope = No Fear. A banda é extremamente técnica e competente, falar de Marco Rizzo na guitarra é idiotice, sempre o achei um dos mais subestimados guitarristas das bandas atuais, merece muito mais nome, técnica impecável. E Mike Leon e seu baixo... bem, teve momentos que Leon conseguiu roubar a cena até mesmo de Max: o cara não para um minuto, faz backing vocals com perfeição e possui uma técnica apurada com poucos, chegando a misturar – desculpem falar tecnicamente – linhas calcadas em walking bass com slap, num peso e velocidade absurdos!

Depois de Back to Primitive, os fãs deliram com a união dos irmãos Cavalera em Roots Bloody Roots e Ace of Spades; Iggor sobe ao palco e em duas meras músicas percebemos o quanto a energia entre ele e Max flui com perfeição, sendo até difícil descrever em meras palavras – o que poderia Iggor ter participado bem mais... A apresentação termina com a insanidade de Jumpdafuckup/ Eye for na Eye, com um outro de uma versão arregaçadora de The Trooper.

Em pouco mais de duas horas, o Soulfly mostrou força, carisma e insanidade em palco. Max Cavalera continua sendo um baita frontman, comandando com perfeição banda e público, o que mostra do por que ele ser tão aclamado por amigos, bandas e fãs. Simplesmente uma aula de Heavy Metal.


[ << Ant ]    [ << Mais notícias ]    [ Próx >> ]
 

Mais notícias
Zé Ramalho Comemora 40 anos de Carreira em São Paulo
Nx Zero grava novo DVD ´Registro Norte´ em São Paulo
The Stylistics Embalam o Valentine´s Day em São Paulo
21o Festival da Cultural Inglesa no Memorial da América Latina
Boyce Avenue no Cine Joia
Sandy faz show em São Paulo com sua turnê Meu Canto
Ratos de Porão e Krisiun no Tropical Butantã
Steve Vai, um dos Deuses da Guitarra, Retorna ao Brasil
O papa da dance music Giorgio Moroder em São Paulo
10000 Maniacs em São Paulo

 
 
 
 
 
 Busca
 Siga o Musicão nas redes sociais
Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Instagram Siga-nos no Tumblr Google Plus Youtube Pinterest
 Últimas Notícias
 Agenda de shows
Criação de Sites
Serviço
Arquivo de notícias
Equipe do Musicão
Release do site
Política de Privacidade
Contato

© 2006-2017 Musicão - Todos os direitos reservados - Proibida cópia de conteúdo parcial ou integral.