Site de música   
Coberturas de shows

Festa de Todos os Tons, para Todas as Tribos: Lollapalooza 2016

Compartilhe:


Publicada em 15, Mar, 2016 por Marcia Janini


lollapalooza.jpg
Nos dias 12 e 13 de março, o Autódromo de Interlagos abriu suas portas para a edição 2016 do festival Lollapalooza, que contabilizou a presença de um público de aproximadamente 130 mil pessoas distribuídas nos dois dias do evento.

Além das variadas atrações, bandas trazendo o inovador, as atualidades da música, apresentaram-se em quatro palcos dispostos no autódromo.

Uma das principais atrações do festival no palco Skol foi o punk rock vigoroso e clássico do Bad Religion, que em suas letras repletas de crítica social e grande peso dinâmico nas melodias refletiu mais uma vez os anseios por um mundo melhor, mais justo.

Com sua costumeira explosão de vitalidade e energia, a banda realizou um dos shows mais intensos do festival. Irreverentes e ousados, colocaram suas guitarras distorcidas para incendiar as melodias de andamento frenético e a bateria, em cadência alucinante, desempenha seu papel na maestria de seu condutor, que deu um show à parte em agilidade e técnica.

A atração Cold War Kids sobe ao palco Axe por volta das 17h15, trazendo um indie rock moderno, atual, cheio de atitude.

Em uma das canções apresentadas, com a deliciosa e ousada bateria cadenciada remontando às bandas marciais no encadeamento de notas, aliam-se as guitarras em fúria, distorcidas.... Como contraponto interessante, o toque minimal determinado pelo teclado, marotamente displicente.... Inovador...

Outra canção traz cadência próxima à sonoridade do reggae na condução da bateria alquebrada, permeada pela guitarra roqueira em acordes soltos, solapados, numa interessante fusão de estilos... Com variações dinâmicas simples e descontraídos vocalizes, a canção flui leve em um bom momento do show.

Mais uma interessante melodia, com o apoio do teclado em acordes densos, graves, vigorosos, contrasta com a delicada estrutura em rondó da melodia.... Elementos extraídos do progressive, fundem-se ao hard rock determinado por vocal e guitarras distorcidas, demonstrando a enorme versatilidade da banda. Great!

Em acordes densos, profundos na sonoridade das guitarras, canção surge traduzindo na introdução velada aura dark... Os dobrados da bateria nas conversões ao refrão e o bem posicionado vocal, urgente, remontam ao indie 80´s, sem abrir mão da modernidade.

Pautando-se no hard rock clássico dos anos 70, a celebrada atração Tame Impala realiza uma das mais bem sucedidas apresentações do festival.

Trazendo elementos do country rock, heavy e progressive, suas canções pautaram-se pela virtuosidade na condução instrumental e estética vocal ímpar, onde às guitarras distorcidas em afinação alta, fundiram-se o peso da bem conduzida bateria, sustentando a força dos refrões em breaks estratégicos muito bem posicionados.

Nota para a magistral participação dos teclados, em acordes ricos, de notas suspensas e graves profundos, permeando de éterea atmosfera cada canção apresentada.

No segundo dia de apresentações, o "Twenty One Pilots" empolga o público com sua animada e bem temperada fusão de estilos. Hard rock, r&b, country e reggae se fundem num conjunto harmonioso, onde o mote é a música, que surge orgânica, intensa, mesmo entre nuances dinâmicas suaves.

Nota para a boa melodia que traduz na força dos sintetizadores densidade com o delicioso toque de arpejos orquestrais remontando ao andamento dançante da disco, acenando para o fraseado ralentado e malemolente do hip hop. A simples estrutura cíclica aproxima a música dos dias atuais, contando ainda com o vocal muito bem colocado e ousado do frontman. Intenso!

Suave, o teclado do sintetizador ensaia uma doce melodia para a canção, que verticaliza em intensidade, determinada pela forte bateria, prenunciando a explosão dance que viria a seguir. Cheios de ritmo, descontração e leveza, a banda marca com propriedade sua passagem pelo festival.

Albert Hammond Jr. e banda trazem um hard rock vigoroso para o palco Axe, onde excertos de estilos como o r&b, blues e soul encontram amparo no vigoroso berço do rock, em melodias animadas. Com destreza, graça e elegância o intérprete conduz uma apresentação onde o bom gosto na combinação de estilos tão variados ditam a tônica da descontração.

Nota para a perfeita canção de encerramento pautada no post punk, onde às guitarras frenéticas alia-se a exímia bateria cadenciada, típica da sonoridade 80's, numa das canções mais ousadas de sua apresentação. Baixo em dub de acordes profundos encerra em seu bojo o perfeito contraponto às enfurecidas e altas guitarras. Onde o clássico e o moderno se aliam... Great!

Subindo ao palco Skol por volta das 18h00... Noel Gallagher e banda trazem um pop rock delicioso de ouvir... Com nuances de hard, pitadas de heavy e um apurado gosto estético, o compositor e intérprete brilha, demonstrando um grande amadurecimento em sua carreira, demonstrado em canções sólidas, num namoro intenso entre as sonoridades do post-grunge e vertentes clássicas, como o soul e o blues.

Nota para seu vocal, fugindo ao óbvio, passeando por nuances agudas de extrema leveza e complexidade sem descambar no pedantismo. Evolução é o que podemos dizer deste grande artista, que volta os olhos ao passado sem abrir mão dos recursos atuais disponíveis em suas composições, mantendo uma delicada aura retrô sem afastar-se do novo.

A bateria bem conduzida, em suave acompanhamento, determina o balanço gostoso do r&b, ambientando a guitarra blueseira, de notas encadeadas em grande charme e estilo. Baixo em dub surge poderoso nas finalizações ao refrão. O excelente duo de metais traduz o charme das big bands para as canções suaves, de andamento charmosamente ralentado, num convite à reflexão. Teclado em dissonância surge permeando as canções de andamento mais acelerado com grande propriedade e elegância, numa bela apresentação.

Além destas apresentações, muitas outras bandas e intérpretes de estilos variados ligados à sonoridade pop se apresentaram nas cerca de 24 horas de festival como Eminem, Eagles of Death Metal, Mumford & Sons, Halsey, Marina and the Diamonds, Alabama Shakes e Planet Hemp.

Voltada à música eletrônica e vertentes street, o palco Trident trouxe alguns dos mais renomados DJs e intérpretes da atualidade, em performances inspiradas e descontraídas. Dessa forma, nomes como Matthew Koma, Al Grime, Kaskade, Karol Conka, Jack Novak, Duke Dumont e Emicida constaram do line up de apresentações.


[ << Ant ]    [ << Mais notícias ]    [ Próx >> ]
 

Mais notícias
Luiza Possi canta Michael Jackson num tributo emocionante no Teatro Porto Seguro
Super Tour de Pet Shop Boys passa por São Paulo
Overload Music Fest 2017
The Vamps em São Paulo
5 Seconds of Summer em São Paulo
In Concert: Roberto Carlos em São Paulo
Information Society na Audio Club - Festa da Toco
Festa Rádio Metropolitana com Skank
Show Lindsey Stirling no CitiBank Hall
Nile em São Paulo

 
 
 
 
 
 Busca
 Siga o Musicão nas redes sociais
Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Instagram Siga-nos no Tumblr Google Plus Youtube Pinterest
 Últimas Notícias
 Agenda de shows
Criação de Sites
Serviço
Arquivo de notícias
Equipe do Musicão
Release do site
Política de Privacidade
Contato

© 2006-2017 Musicão - Todos os direitos reservados - Proibida cópia de conteúdo parcial ou integral.