Site de música   
Coberturas de shows

6o. Festival NovaBrasil FM

Compartilhe:


Publicada em 04, Sep, 2015 por Fabiano Cruz

Clique aqui e veja as fotos deste show.


Capital_Inicial-2015.jpg
Pouco se mostra de nossa variedade musical hoje em dia; a realidade que o público paga mais por shows internacionais ou preferem eventos segregados por estilos; falta hoje em dia uma amostra maior do que nossos músicos fazem, inclusive mostrando o fora da TV aberta em programas dominicais. Nesse quadro, a rádio Nova Brasil FM vem se arriscando a cada ano, chegando a sexta edição de seu festival; e mesmo indo de contra à onda e marketing musical que temos, a cada ano o Festival melhora em sua estrutura e qualidade. Nessa edição de 2015, vimos uma certa melhoria ao do ano passado, com um som e iluminação de maior qualidade, e um trabalho quase 100% da produção – claro, num festival desse porte em nosso país seria utopia em pensar que um evento desse porte não teria problemas – onde os problemas mais abertos ao público foram resolvidos rapidamente, não atrapalhando em nada o encaminhar do festival. E o tempo no agradável sábado também ajudou: um clima mediano, equilibrado entre o frio e o calor ameno, e sem chuvas, deixou o público bem livre e a vontade no Anhembi.

Com um bom público pagante, a festa não poderia começar melhor com um dos melhores músicos e compositores que temos no Brasil. Zé Ramalho com seu folk carregado de ritmos nacionais, chamou a atenção pelo equilíbrio de momentos mais dançante, como na canção Taxi Lunar, com momentos mais reflexivos, como em Eterna Onda. O respeito ao seu trabalho foi mostrado pelo público que, mesmo timidamente, cantou nota por nota em canções do porte de Kryptônia e Chão de Giz, mas os clássicos eternos da história de nosso cancioneiro popular que o coro aumentou de volume, nas canções históricas Avohai e Admirável Gado Novo. Uma apresentação que em nenhum momento caiu de energia, mesmo assim a dobradinha A Terceira Lâmina e Banquete dos Signos e o medley em homenagem a Raul Seixas Gitá/ Medo da Chuva. Frevo Mulher terminou a excelente apresentação do Zé Ramalho, começando o Festival num nível musical altíssimo, pela performance e produção perfeita.

Se o começo do festival foi com canções antigas, Vanessa da Mata continuou o festival com seu leque de novas canções que vem se destacando cada vez mais. Com a multicuturalidade Brasileira em roupagens e arranjos mais ousados e atuais, a abertura com Esperando Você Chegar e Ilegais; bem conhecidas, já ganhou o público logo de início. E o povo mais “aquecido”, em nenhum momento parou de cantar e dançar, principalmente acompanhando a ótima presença de palco da bela Vanessa, dançando, cantando; um carisma ímpar, bastava um sorriso para se comunicar com seus fãs, que cantaram em bom e alto som músicas como As Palavras, Ainda Bem, Por Onde Ando Vejo Você. Bicicleta, Bolos e Outras Alegrias foi um momento de pura energia; Você Vai Me Destruir – atualmente fora do set list, mas tocada especialmente para essa apresentação – mostrou ser uma música forte a ponte de consumir as energias da cantora que, diga-se de passagem, vai além de uma “simples cantora”, pois Vanessa tem total controle de tudo que acontece em palco, comandando a banda e os momentos com maestria. Momento clímax? Vermelho no fim da apresentação executada com garra por uma cantora quase sem energias... Os aplausos não foram em vão.

E como manter o pique e qualidade do festival depois duas excelentes apresentações e um atraso meio considerável – um dos poucos problemas já falado? É começar com um tradicional samba É Corpo, é Alma, é Religião, seguido de Cara Valente e Maltratar Não é Direito. Se juntar o clima do Anhembi – lugar dos desfiles das escolas de samba no carnaval paulista – com a sonoridade que passeia entre o samba enredo e bossa nova, não teve como ficar parado ou pelo menos contagiado com a apresentação de Maria Rita. Batucada, melodias grandiosas e uma cantora cujo interpretação nas canções chega a níveis absurdos, mostrando completo domínio de sua voz e timbre: Maria Rita foi sublime em temas como Fogo no Paiol, Saco Cheio, O Que é o Amor? e Maria do Socorro. Com uma configuração diferente com a banda disposta pela lateral do palco, Maria Rita ainda teve total liberdade para dançar e comandar o público em sues passos... Baseado no recém lançado Coração a Batucar, as canções funcionaram muito bem, como Mainha Me Ensinou e Rumo ao Infinito, ao lado de temas como Cria e Coração em Desalinho. A música Coração a Batucar teve espaço para improvisos dos músicos, e que improvisos! A qualidade da banda que a acompanha é muito alta, onde esses improvisos completaram a aula instrumental que foi a apresentação. O Homem Falou terminou no bis uma apresentação acima da média, carregada de boas vibrações e alegrias, e uma Maria Rita carismática e em um de seus melhores momentos.

Quase que de imediato, o Capital Inicial ficou encarregado da complicadíssima missão de segurar as pontas, até então não seria qualquer artista que pelo menos igualaria à apresentação de Maria Rita. Com um público grande voltado somente para eles, o Rock’ n’ Roll da banda conseguiu não só manter a qualidade, talvez até mesmo o melhor e mais contagiante show da noite, inclusive utilizando 100% do recurso de palco, até mesmo o telão de fundo do palco que foi usado somente por eles em projeções de animações e filmes da banda. Abrindo com Respirar Você e Quatro Vezes Você, o sexteto comandando por Dinho Ouro Preto roubou a atenção até mesmo daqueles que lá estavam que não tem o Rock como estilo musical. Em turnê do recém lançado disco Viva a Revolução, cuja canções são fortes ao vivo, foram parcialmente cobertas por clássicos do porte de Independência, Mais, Veraneio Vascaína e Eu Nunca Disse Adeus. Dinho tem uma força e presença imensa em palco, e em destaque também temos o Yves Passarell, experiente no Rock/ Heavy Metal brasileiro que tem uma performance que também chama a atenção – e um tanto engraçada. O momento especial ficou por conta da volta de Vanessa da Mata para acompanhar a banda em Primeiros Erros. E daí até o fim da apresentação.... Musica Urbana, Fátima, Natasha... Clássicos e mais clássicos do repertório de nosso Rock, fechando a noite de maneira empolgante.

O saldo final foi um Festival à altura de festivais antigos da música brasileira e à altura de festivais internacionais que temos hoje em dia, não devendo absolutamente nada a esses; e um rol de artistas e bandas que funcionou perfeitamente mesmo com a mistura de estilos musicais: o experiente folk de Zé Ramalho, a multiculturalidade contemporânea de Vanessa da Mata, o contagiante samba de Maria Rita, o energético rock do Capital Inicial. Esperamos que a sétima edição a produção mantenha o nível ou até mesmo que melhore ainda mais!


[ << Ant ]    [ << Mais notícias ]    [ Próx >> ]
 

Mais notícias
Zé Ramalho Comemora 40 anos de Carreira em São Paulo
Nx Zero grava novo DVD ´Registro Norte´ em São Paulo
The Stylistics Embalam o Valentine´s Day em São Paulo
21o Festival da Cultural Inglesa no Memorial da América Latina
Boyce Avenue no Cine Joia
Sandy faz show em São Paulo com sua turnê Meu Canto
Ratos de Porão e Krisiun no Tropical Butantã
Steve Vai, um dos Deuses da Guitarra, Retorna ao Brasil
O papa da dance music Giorgio Moroder em São Paulo
10000 Maniacs em São Paulo

 
 
 
 
 
 Busca
 Siga o Musicão nas redes sociais
Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Instagram Siga-nos no Tumblr Google Plus Youtube Pinterest
 Últimas Notícias
 Agenda de shows
Criação de Sites
Serviço
Arquivo de notícias
Equipe do Musicão
Release do site
Política de Privacidade
Contato

© 2006-2017 Musicão - Todos os direitos reservados - Proibida cópia de conteúdo parcial ou integral.