Site de música   
Coberturas de shows

Slash no Espaço das Américas

Compartilhe:


Publicada em 26, Mar, 2015 por Fabiano Cruz


Um dos últimos “guitar hero” que o Rock’ n’ Roll viu nascer anunciou uma pequena turnê no Brasil para a divulgação de seu novo trabalho solo World on Fire, bem aclamado pela crítica; e para a última apresentação em terras brasileiras, o Musicão prestigiou o Slash no Espaço das Américas nesse domingo dia 22 de Março.

Em um bom horário, casa já um pouco cheia, no horário marcado entra em palco o convidado de abertura, Gilby Clarke, companheiro de Slash em tempos de Guns’ n’ Roses. Clarke sem muitos rodeios começa a apresentação com Wasn’t Yesterday Great, mostrando o tom de seu show: puro e simples Rock’ n’ Roll cativante, como se seguiu com Under the Gun e Motorcycle Cowboys. A banda que o acompanha segura muito bem o ritmo cru e visceral que o estilo pede, uma base perfeita pra voz “largada” de Clarke. Não por menos, pois a sequência de It’s Only Rock’ n’ Roll (But I Like It), Knockin’ on Heaven’s Door e Wild Horses (dispensável falar de quem são) mostraram suas influências. A abertura durou uma hora, tempo perfeito para Clarke mostrar um baita trabalho competente e com surpresas, como a versão de Monkey Chow, do próprio Slash na época do Snakepit; aliás, no fechamento com Tijuana Jail o próprio Slash entra no palco para uma “palhinha” ao lado de Clark. Sensacional! O solo duetado deixou todos de boca aberta com um Clarke extremamente solto e a vontade e um Slash deixando os fãs ansiosos pelo seu show.

Em pouco tempo – e no horário sem atrasos, algo raro de se ver em questão de shows no Brasil! – em uma introdução bem tímida, os acordes de You’re a Lie já são soltos, e sem pausas, o primeiro “clássico” da noite: Nightrain. Preciso falar que o Espaço das Américas quase foi abaixo? Logo no começo o nome de Myles Kennedy já foi entoado pelo público dividindo as atenções com o Slash, e não seria por menos; em interpretações impecáveis como em Avalon, o vocalista tem um timbre fenomenal e extremamente versátil, se adaptando a todo e qualquer som que o Slash já gravou com outros vocalistas; chegou a impressionar manter as características das gravações com suas características próprias, como em Ghost, originalmente gravada por Ian Astbuty no primeiro disco solo de Slash e nas músicas do Guns’ n’ Roses – a interpretação em You Cold Be Mine foi perfeita!

Claro, a banda The Conspirators segura muito bem a bronca do Slash e de Kennedy, como mostrado na dupla Doctor Alibi e Welcome to the Jungle, onde a banda teve seu espaço com o baixista Todd Kerns tomando a vez dos vocais para um descanso de Myles Kennedy, que retorna mandando Starlight, The Dissident e Beneath the Savage Sun – importante destacar que a banda é sem firulas e de poucas conversas no palco, mandando um som atrás do outro mantendo o ritmo da apresentação bem uniforme e bem alto!

E ao falar de Slash... Riffs e mais riffs, solos impecáveis, mas foi em Rockett Queen que seu longo solo mostrou tudo que ele é capaz de fazer, em uma criatividade impar e técnicas variadas, mostrando o porquê muitos o considerarem como um dos últimos “guitar heroes” ainda na ativa, e depois de Bent to Fly, o momento ápice do show chega com o “hardaço” World on Fire, a belíssima – e particularmente uma das melhores composições do guitarrista – Anastasia, tocada com sua guitarra/ violão de dois braços, e o “hino” Sweet Child O’Mine. Fôlego? O povo teve, quase sem, para curtir a pancada da única do Velvet Revolver na noite: Slither. E faltava o maior clássico do Guns... Com Gilby Clarke de volta ao palco, Paradise City fechou com chave de ouro a apresentação numa verdadeira festa que somente o Hard Rock pode proporcionar.

Uma apresentação perfeita, mostrando um guitarrista que não parou no tempo, sempre se inovando sem deixar suas raízes de lado – prestem atenção nos riffs e vejam como tem muito da escola clássica da guitarra em roupagens novas! – amparado por uma das melhores vozes na atualidade no Rock e de uma banda precisa e competente. Uma verdadeira aula de Rock’ n’ Roll, duas horas e meia de um show cru e sem frescuras, como todo show de Rock deve ser!


[ << Ant ]    [ << Mais notícias ]    [ Próx >> ]
 

Mais notícias
Zé Ramalho Comemora 40 anos de Carreira em São Paulo
Nx Zero grava novo DVD ´Registro Norte´ em São Paulo
The Stylistics Embalam o Valentine´s Day em São Paulo
21o Festival da Cultural Inglesa no Memorial da América Latina
Boyce Avenue no Cine Joia
Sandy faz show em São Paulo com sua turnê Meu Canto
Ratos de Porão e Krisiun no Tropical Butantã
Steve Vai, um dos Deuses da Guitarra, Retorna ao Brasil
O papa da dance music Giorgio Moroder em São Paulo
10000 Maniacs em São Paulo

 
 
 
 
 
 Busca
 Siga o Musicão nas redes sociais
Facebook Siga-nos no Twitter Siga-nos no Instagram Siga-nos no Tumblr Google Plus Youtube Pinterest
 Últimas Notícias
 Agenda de shows
Criação de Sites
Serviço
Arquivo de notícias
Equipe do Musicão
Release do site
Política de Privacidade
Contato

© 2006-2017 Musicão - Todos os direitos reservados - Proibida cópia de conteúdo parcial ou integral.